Muita gente “bacana” já está com ela

Veja o vídeo abaixo e confira quem está ao lado dela.

Prefeito de Serra Negra tem avaliação idêntica à de Lula

 

No município de Serra Negra do Norte, pesquisa realizada pelo Instituto Agorasei revela que o prefeito Rogério Mariz (PSB) é hoje um dos prefeitos mais bem avaliados do Rio Grande do Norte, com aprovação popular semelhante à do presidente Lula.

 

Segundo dados do Agorasei, 81% da população entrevistada no município declarou como ótima ou boa a atual administração municipal. 13% avaliou como regular e apenas 4% disse que ela é ruim ou péssima. 2% não soube responder.

 

Eleito a primeira vez em 2004 e reeleito em 2010, Rogério Mariz conseguiu apaziguar o clima de guerra política em que padecia Serra Negra numa época não muito distante.

 

Maior liderança do município

 

A pesquisa também sondou junto aos serra-negrenses qual seria a maior liderança política do município. Enquanto 57% dos entrevistados apontaram Rogério Mariz como o maior líder político da cidade, apenas 5% escolheu outros nomes. 4% afirmou que não existe liderança e 34% não soube responder.  

 

A pesquisa foi realizada no último dia 16 de setembro e ouviu 400 pessoas na zona urbana e rural do município. O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 4,7 pontos percentuais, para mais ou para menos sobre os resultados totais da amostra.

Primeiro, olhemos o espelho

 

Há algumas semanas, uma família amiga minha enfrentou o terror de um assalto a casa onde residiam, em Capim Macio. Mãe, tia e o casal de filhos foram feitos reféns, deitados no chão da cozinha da casa, enquanto os marginais surrupiavam televisão, computadores, celulares, roupas, perfumes e todo objeto que lhes despertavam interesse.

 

Felizmente, a família saiu ilesa fisicamente, mas o trauma psicológico foi instalado definitivamente.

 

Há alguns meses, a mesma família residia em Morro Branco. Na tarde de um dia da semana, o pai chegava em casa e o vizinho ao lado o chamou para uma conversa. Quando os dois se cumprimentavam, bandidos os renderam. Foram levados para o interior da residência e lá ficaram com outras pessoas sob a mira de armas.

 

Traumatizados, tanto o vizinho como a família amiga mudaram de endereço. Meus amigos foram para Capim Macio e o que aconteceu depois vocês já leram no início deste texto. Hoje, moram provisoriamente na residência de um familiar e estão vendendo as casas de Morro Branco e Capim Macio. Vão comprar um imóvel num condomínio fechado, na esperança de reencontrarem a tranqüilidade perdida.

 

Conheço alguém que se considera um homem honesto, cumpridor das leis e extremamente duro quando opina sobre a marginalidade. É daqueles que defendem a pena de morte para a marginalidade e jogam a culpa pela violência que ora vivemos nos governantes.

 

Certa vez, esta mesma pessoa me contou que o painel de seu carro havia quebrado. Foi à concessionária e achou um absurdo o preço da tal peça. Disse que alguém lhe indicou uma busca pelo “comércio” do Alecrim. Lá, não precisou andar muito e um desconhecido perguntou a ele o que procurava. Dito o que precisava, em poucos minutos um painel usado lhe foi oferecido. E levou a peça que, certamente, proveniente de carro roubado.

 

A televisão, os computadores e os celulares que foram roubados de meus amigos também devem ter tido destino semelhante: comprados por pessoas com ficha limpa na polícia e que se dizem honestas, revoltadas com a crescente criminalidade.

 

A exemplo dos viciados que alimentam o tráfico de drogas, é gente que contribui para um tipo de crime que cresce em Natal e que um dia pode acabar como vítima. Não haveria traficante se não houvesse consumidor de drogas. Não existiria assalto às residências se não houvesse a figura do receptador.

    

Antes de criticarmos a variada gama de problemas da polícia, da leniência dos governos e amaldiçoarmos a bandidagem que anda solta, devemos primeiro olhar-nos no espelho.

 
 

ACHADOS DA NET

A ponte dos suicidas

O vídeo acima pertence ao documentário “The Bridge” – A Ponte (2006), dirigido por Eric Steel. É um alerta a todos nós, para cuidarmos e prestarmos a atenção àqueles que amamos e estão ao nosso lado. Quem for sensível, peço que não veja o vídeo.

 

Durante o ano 2004, Eric e sua equipe filmaram com várias câmeras a ponte Golden Gate de São Francisco (EUA) e captaram as imagens de 19 dos 24 suicídios cometidos ao longo desse ano. Segundo os dados registrados até 2006, mais de 1.200 pessoas perderam a vida, saltando da ponte. No ano 2006 se produziram 38 suicídios, recuperando na baía o corpo de 34 pessoas. Não existe em nenhum lugar do mundo, noticias tão trágicas como essas.

 

Ironicamente, durante o tempo que durou a construção da ponte, só morreram 11 trabalhadores, o qual foi muito aplaudido, devido às péssimas condições de trabalho na época, e pela distancia da ponte e envergadura.

 

A construção da ponte começou dia 5 de janeiro de 1933, e foi finalizada em abril de 1937, abrindo-se ao tráfego dos pedestres e ciclistas. Poucas semanas após sua inauguração, a ponte teve seu primeiro suicídio.

 

A queda tem 227 metros de altura, dura pouco mais de quatro segundos e os saltadores se chocam com a água com um impacto de 120 km/h, o mesmo que uma bola de beisebol atingir sua cabeça, e geralmente morrem pela causa do impacto. Somente 26 pessoas sobreviveram a queda, e acabaram com os ossos fraturados e lesões internas.

 

Varias vezes descartou-se a idéia de construir uma barreira que impedisse os saltadores de cair na água, argumentando-se razões econômicas, estéticas e de engenharia. Entretanto em 2005, levou-se a cabo a idéia de construir tal barreira, para impedir mais suicídios dessa ordem na ponte. A ponte ao invés de ficar conhecida como a Ponte Laranja, hoje tem uma triste realidade, tornando-se conhecida como “A ponte dos suicídios”.

O antes e o agora

 

Num lampejo digno dos grandes filósofos, Heráclito escreveu que “nada é permanente, salvo a mudança”. Nada mais verdadeiro nesta frase refletindo a história de Lula e o PT.

 

Em meu tempo de jovem militante de esquerda, os dois contavam com os votos dos “esclarecidos” nas eleições. O “povão” é que contrariava os dois quando as urnas eram abertas.

 

Hoje, a ordem da coisa se inverteu.

Candidatos tentam enganar prefeitos com pesquisas enganosas

 

Do Blog do Robson Pires:

 

O blog tomou conhecimento através de dois prefeitos, que pediram anonimato por razões óbvias, que alguns candidatos estão enviando pesquisas realizadas nos municípios com resultados adulterados.

 

Segundo um dos prefeitos, determinada coligação enviou pesquisa com resultados totalmente diferentes da realidade. “Não havia nem necessidade de fazer pesquisa para saber que tal candidato que aparecia em primeiro na verdade estava em terceiro aqui em minha cidade”, revelou.

 

O outro prefeito, desconfiado com os números que chegaram em suas mãos, contratou uma empresa independente e mandou fazer uma pesquisa por conta própria. Os resultados mostraram números diferentes.

 

A prática demonstra que alguns candidatos estão tentando enganar os prefeitos com pesquisas fraudulentas.

 

Do Blog: endosso convicto o que Robson escreveu.

Recomendo

 

Eleições são eventos que mobilizam milhões de pessoas e costumam monopolizar a atenção da opinião pública, mas o funcionamento das campanhas políticas continua sendo um mistério para a maioria da população. Daí a importância de "Emoções Ocultas e Estratégias Eleitorais", que traz a assinatura de um dos maiores especialistas brasileiros no tema e analisa que elementos e circunstâncias influenciam as corridas eleitorais.

 

Antonio Lavareda, que já participou de 76 campanhas, sendo três presidenciais, trata dos aspectos mais relevantes delas, como a formulação das pesquisas, a importância das alianças políticas e o marketing, que recebe atenção especial. Ele usa como referência campanhas vitoriosas recentes, como a do atual presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, as de Lula, em 2002 e 2006, e Fernando Henrique Cardoso, em 1994 e 1998.

 

Um capítulo trata especificamente daqueles que costumam ser as principais "armas" dos candidatos, os comerciais de TV. Além de examinar campanhas passadas, Lavareda mostra como o estudo do cérebro humano deu origem ao chamado "neuromarketing" e está mudando a dinâmica das eleições.

 

O livro vai interessar quem habita o universo da política, mas também quem vota. "Acredito que, quanto mais informados sobre o processo, melhor os eleitores poderão, na eleição, avaliar os próprios sentimentos em relação ao que vêem, ouvem e lêem, fazendo assim melhores escolhas", escreve Lavareda.

Justiça de Florânia diz que péssimo serviço da Tim apenas causou “mero aborrecimento” aos usuários da operadora

 

No município de Florânia, o sinal da operadora Tim melhorou nas últimas semanas e a população local finalmente consegue completar e receber normalmente chamadas da telefonia celular.

 

Até o ano passado, a cidade seridoense não contava com o serviço. Ao ser anunciada a chegada da operadora Tim, os floranienses comemoraram a realização de um sonho. Parte da população correu às lojas e adquiriu aparelhos e planos da operadora, apostando nas facilidades de comunicação que um celular proporciona.

 

Contudo, fazer ou receber uma ligação de celular em Florânia passou a ser um tormento. Em vários dias o sinal sumia por completo e, noutros, era praticamente impossível se comunicar com alguém usando a operadora.

 

Revoltados, dezenas de floranienses entraram com ações indenizatórias contra a Tim, em face dos danos morais e materiais que muitos enfrentaram nos meses de péssimos serviços oferecidos pela operadora.

 

Surpreendentemente, a juíza daquela comarca, Giselle Draegger, indeferiu o pedido dos consumidores queixosos e disse que tudo o que eles passaram até ali “tratava-se de mero aborrecimento”.

 

A magistrada reconheceu que era pública e notória a má prestação do serviço de telefone celular no município, que os consumidores sequer conseguiam completar uma ligação e, se conseguiam, não havia como manter uma conversa tranqüila, devido a “cortes” e “quedas” durante as chamadas. Por fim, disse que a conduta da operadora é sim um ato ilícito.

 

Entretanto, entendeu a juíza que todos esses problemas não geraram danos morais, julgou.

 

O artigo 6º, inciso IV, do Código de Defesa do Consumidor, diz que é dever garantir a proteção deste contra a propaganda enganosa e abusiva. Quando a operadora anuncia que mantém sobre uma localidade cobertura por sinal de telefonia celular, comprometendo-se a oferecer o serviço, acabam os consumidores acreditando que poderão usufruir dos serviços normalmente.

 

Para tanto, acabam adquirindo aparelhos e linhas de telefone, mas, no caso de Florânia, não conseguiram se comunicar sem perturbações. Ou seja, a prestadora do serviço não estava cumprindo com a obrigação contratual anunciada.

 

Já pelo artigo 14, do CDC, a TIM deve ser responsabilizada e reparar os danos causados aos consumidores por defeitos ocasionados pela má prestação do serviço. Ora, o defeito existe e foi reconhecido pela juíza, então por qual motivo não houve indenização?

 

O pobre trabalhador que acreditou na operadora e adquiriu a duras penas o aparelho e a linha de telefone, tenta inserir-se na vida moderna, usufruir o direito constitucional da comunicação, viu todo seu trabalho ser em vão, as suas expectativas frustradas e, no fim, nenhuma indenização lhe é reconhecida.

 

 

Os advogados dos consumidores já anunciaram que irão recorrer da decisão.

 
 

ACHADOS DA NET

O que você quer ganhar? Um iPad ou 100 livros?

 

        

 

É apenas um sorteio e você não tem que comprar nada para concorrer. Você apenas se cadastra no site Skoob e acessa a página da promoção. Lá, escolhe se prefere ganhar um iPad ou 100 livros. O sorteio acontece no próximo dia 18 de setembro.

 

Para maiores informações e para participar da promoção você deve clicar AQUI.

 

A propósito, escolhi os livros.

A bobagem do novo senador

 

Mal assumiu o mandato de senador, já que era suplente de Garibaldi Filho (PMDB), e Geraldo Faustino (PSDB) pretende criar um daqueles projetos de lei fadado ao fracasso e de conteúdo totalmente desapegado à realidade de um país de Constituição contrária a qualquer tipo de censura.

 

Pelo projeto de lei que pretende criar, proibirá a veiculação de pesquisas eleitorais encomendadas por partidos, candidatos, meios de comunicação ou qualquer outro interessado. A única instituição com poderes para tal seria a Justiça Eleitoral.

 

“Seria o primeiro passo para o financiamento público das campanhas”, disse o neo-senador a um blog da capital, como se a idéia de o Estado financiar as campanhas resolvesse a farra de dinheiro e conseguisse tornar igualitária a disputa entre candidatos ricos e pobres.

 

Por acaso o Estado também financiaria a compra de lideranças, eleitores e etc?

 

Mas sobre a proibição das pesquisas voltarei a falar do assunto depois. O tema é complexo e requer uma análise aprofundada e desapaixonada.

Pesquisas não servem às torcidas

 

O autor do artigo é o diretor do Datafolha. Em tempos de resultados diferentes nas pesquisas que estão sendo publicadas no Rio Grande do Norte, vale a pena ler este texto.

 

Por Mário Paulino:

 

AO MOSTRAR, em abril deste ano, que o tamanho da torcida do Corinthians estava, naquele momento, a apenas quatro pontos percentuais da do Flamengo, no limite do empate técnico, o Datafolha foi contestado por centenas de flamenguistas com argumentos frágeis e ameaças de todos os graus. Costumeiramente são esses, das torcidas, os números que geram mais polêmicas e reações genuinamente apaixonadas.

 

O empate técnico entre Serra e Dilma, apurado pelo instituto há duas semanas, elevou as reações políticas ao mesmo nível de agressividade dos argumentos típicos das arquibancadas. Neste caso, às ameaças e impropérios dos militantes, remunerados ou apaixonados, somam-se falácias técnicas elaboradas por pseudo-especialistas em pesquisa, que propagadas e repetidas à exaustão nos meios eletrônicos, são tomadas por muitos como verossímeis.

 

Esse processo de coerção não é novo para o Datafolha nem exclusividade dos consultores contratados pelo PT. Nos primeiros dez dias da disputa pelo segundo turno em 2006, enquanto o Datafolha mostrava sozinho que Geraldo Alckmin poderia ter menos votos do que havia obtido no primeiro, o PSDB levantou várias suspeitas embasadas em argumentos “técnicos” contra os métodos do Datafolha. Algumas foram repercutidas pelo próprio candidato do partido à Presidência em debate na TV.

 

Mais recentemente, na disputa pela Prefeitura do Rio em 2008, a ultrapassagem de Gabeira sobre Crivella, revelada pelo Datafolha antes mesmo das pesquisas internas dos partidos, também foi motivo de suspeitas infundadas sobre o instituto.

 

Não é, portanto, a primeira vez que o Datafolha destoa de seus concorrentes. Isto não quer dizer que esteja necessariamente certo ou errado em todos os resultados que divulga. É prudente, no entanto, que seus fundamentos metodológicos colocados à prova há 26 anos, sejam levados em conta.

 

Mas como o eleitor brasileiro deve ler resultados diferentes divulgados pelos institutos de pesquisa? Analisando os números sem viés partidário e informando-se sobre a atuação de cada instituto em eleições anteriores o que lhes confere reputação e credibilidade.

 

Por mais que alguns pesquisadores tentem fazer parecer o contrário, pesquisas não são preditivas, refletem resultados do momento em que são feitas, embutem erros determinados pelos limites estatísticos e seus resultados podem variar de acordo com os instrumentos utilizados nas entrevistas, como o questionário.

 

Muitas informações fundamentais para avaliar os números divulgados podem ser obtidas no site do TSE que disponibiliza os registros de cada pesquisa contendo informações específicas e instrumentos de coleta de cada instituto. O Datafolha posta em sua página na internet cruzamentos e bases estatísticas de todas as pesquisas que divulga e defende que essa prática seja obrigatória.

 

Como os resultados de pesquisas, amplamente divulgados, estão entre os principais fatores de captação de recursos para as campanhas, aposta-se na confusão e na distorção para amenizar ou potencializar possíveis prejuízos. Cabe aos analistas independentes a missão de reconhecer o viés partidário das afirmações propagadas.

Quem freqüenta estádios e quem produz pesquisas sabe que torcidas organizadas, por vezes, viram as costas para a partida e mergulham em seus próprios cânticos, perdendo a razão e o próprio jogo.

Pesquisa revela que 94% dos seridoenses estão satisfeitos em morar nas cidades da região

 

Pesquisa realizada pelo Instituto Agorasei, no mês de julho passado, mediu o grau de satisfação da população da região Seridó em relação aos municípios que residem. Segundo dados do trabalho, que foi coordenado por este escriba, impressiona o alto contentamento dos seridoenses com as cidades da região.

 

Segundo dados do trabalho, 94% dos entrevistados responderam que estão satisfeitos em morar nas cidades seridoenses. Apenas 5% se disseram insatisfeitos e 1% não soube responder.

 

Foram ouvidas 1.222 pessoas com idade igual ou superior a 16 anos nas zonas urbana e rural dos 24 municípios da região. A amostra foi dividida proporcionalmente de acordo com o tamanho da população de cada cidade.

 

Caicó, Currais Novos, Parelhas, Jucurutu, Lagoa Nova, Jardim de Piranhas, Jardim do Seridó, Acari, Cerro-corá, Florânia, Cruzeta, Serra Negra do Norte, Carnaúba dos Dantas, São João do Sabugi, São Vicente, Equador, Tenente Laurentino Cruz, Ouro Branco, São José do Seridó, São Fernando, Bodó, Timbaúba dos Batistas, Santana do Seridó e Ipueira foram os municípios pesquisados.

 

Como seridoense, já sabia do forte apego que temos pelas cidades da nossa região. Mas me surpreendi com o alto grau de satisfação da população, pois temos que considerar o lugar árido que vivemos, inapropriado à agricultura, com deficiências no ensino superior e com baixo desenvolvimento industrial.

 

O Instituto Agorasei também perguntou aos entrevistados se eles gostariam de morar em Natal ou outra cidade que não fosse da região Seridó. 65% das pessoas responderam que não, 34,5% disseram que gostariam sim, de mudar de cidade e apenas 0,5% não souberam responder.

 

Em princípio, parece contradição 94% dos entrevistados estarem satisfeitos em morar na região e uma boa parcela deste percentual declarar que gostaria de residir em outra cidade. Mas não vejo incompatibilidade da primeira com a segunda pergunta. O fato de alguém desejar tal mudança não significa necessariamente insatisfação com o lugar onde mora. A análise detalhada do trabalho mostra que são os jovens que desejam a mudança. Na faixa etária que compreende dos 16 aos 24 anos, um pouco mais da metade dos entrevistados afirmou que gostaria de mudar.

 

É natural o sentimento da busca pelo novo entre a juventude. Também não podemos ignorar a procura pelas oportunidades de trabalho e educação num centro urbano mais desenvolvido.

 

A pesquisa foi realizada entre os dias 1 e 5 de julho passado e ouviu 1.222 pessoas. O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 2,8 pontos percentuais, para mais ou para menos sobre os resultados totais da amostra. O cadastro eleitoral do Tribunal Eleitoral do RN e o Censo Demográfico e Contagem da População do IBGE serviram como fontes para a elaboração da amostra.

 
 

COMENTÁRIO DO LEITOR

Sugiro que o slogan da TIM seja mudado de “Viver sem fronteiras” para “Criando barreiras”, visto que é isso que o serviço prestado por esta operadora está fazendo.

 

Izabel Alvi

Natal – RN

Péssimo serviço da telefonia celular e o saudosismo jurássico de alguns

 

Outrora a operadora de telefonia com o melhor sinal e cobertura, atualmente a Tim se supera a cada dia na má prestação de serviço. Hoje (9), não consegui receber e/ou fazer ligações durante boa parte do dia.

 

A tara ideológica dos marxistas se agita nessas horas. A sanha estatizante desse povo provoca em alguns aquele saudosismo atrasado da era Telebrás.

 

A propósito, o mesmo acontece com problemas de quedas na energia distribuída pela Cosern.  

Vade retro!

Sigam-me!

 

Ainda que quase na inatividade, este Blog continua com leitores fiéis e usuários do Twitter.

 

Um abraço especial a José Leniel, Samara Medeiros, Izabel Alvi, Jota Jota, Álvaro Dias, Glicério Batista, Ivanildo Filho, Salatiel Dantas, Vital Souto, Jailson Cruz, Anna Alyne Cunha, Ivanez Terceiro, Vivaldo Costa, Roberto Germano, Márcio Luiz e Anderson Azevedo.

 

Todos, novos seguidores do Blog no Twitter.

Quem desejar me seguir no Twitter deve clicar AQUI.

Volta das fotocharges

Devagar com o andor... hehehe. As fotocharges voltarão com o tempo e com este escriba tendo tempo. Algo muito complicado até outubro, ao fim da campanha eleitoral.

A reencarnação do coletor de impostos

 

E os preços cobrados na Ilha de Sant’ana, nos festejos da padroeira de Caicó? A carestia é um dos motivos que tem afastado o público, que vem caindo há algum tempo.

 

Decerto que o carnaval vem impondo uma concorrência desigual, haja vista que o público externo prefere este evento. Contudo, a exploração na Ilha tem sido uma propaganda extremamente negativa à Festa de Sant’Ana.

 

Sem querer livrar a cara dos pequenos vendedores da Ilha, lembro que a ganância deslavada começa pela Prefeitura de Caicó. Os valores cobrados pelo metro quadrado na Ilha e cedido aos comerciantes são um absurdo.

 

Automaticamente, a conta é repassada ao consumidor.

Assim sendo, parte da culpa deve ser debitada ao prefeito Bibi Costa, que em vida passada deve ter sido um feroz coletor de impostos a serviço de Roma.

Olha quem fala...

 

Em face às acusações de que a campanha da oposição não encampa aqui no Estado a candidatura de José Serra (PSDB), vale relembrar o comportamento idêntico de alguns aliados do presidente Lula nos tempos do estouro do famigerado “Mensalão”.

 

Decerto que não aconteceu em plena campanha eleitoral, mas quem tem boa memória se lembra das críticas que foram feitas ao Governo Federal às obras que não chegavam ao Rio Grande do Norte. Falava-se em aeroporto de São Gonçalo e refinaria de petróleo.

Críticas que, certamente, não seriam feitas hoje, ainda que o estado continuasse em pleno esquecimento. É que, naquela época, até impeachment do presidente foi posto à mesa. E poucos acreditavam que ele iria explodir em popularidade tempos depois.

É assim, cara-pálida

Assim é a política:

Digo o mesmo

Endosso o que escreveu Raildon Lucena, jornalista caicoense, em seu twitter: “Os blogs do RN estão chatos e monótonos. Só fotos e mais fotos de carreatas e políticos visitando as festas do interior. Falta conteúdo”.

O risco permanece

 

Já falei antes e volto a repetir: hoje, e disse HOJE, só haveria condições para um candidato a deputado estadual, do Seridó, se eleger apenas com os votos da região. Os demais têm que buscar eleitores em outras regiões do estado para chegar à Assembléia Legislativa.

 

E também reafirmo: hoje, e disse HOJE, Caicó continua correndo o risco de ficar sem um representante legitimamente caicoense no Legislativo estadual.

Para evitar tal desastre, apregôo: seridoense deve votar em seridoense!

12 minutos para percorrer pouco mais de 1 km

 

Na sexta-feira passada (6), por volta das 18h e 30min, cronometrei o tempo que percorri de carro no trecho da subida do viaduto do Quarto Centenário (estádio Machadão) até o semáforo das avenidas Prudente de Morais e Capitão Mor Gouveia.

 

Após longos 12 minutos, perdidos no trânsito pesado daquele trecho de pouco mais de 1 km, ultrapassei o referido semáforo.

 

O exemplo acima é para aqueles que acreditam na construção de um bonito estádio de futebol como garantia de Natal sediar a Copa de 2014.

 

Há muito por fazer na capital em termos de infraestrutura para receber o evento. Acabar ou amenizar o caos no trânsito, principalmente nos horários de pico, é algo que a Fifa já está exigindo.  

Nepotismo no Blog

Sei não... mas me sinto um perseguido por determinados leitores deste Blog... hehehe. Estão dizendo que só voltei após um abandono de duas semanas por causa do nepotismo da nota abaixo... kkk

Militares caicoenses participam da construção de pontes móveis em Pernambuco

 

Militares caicoenses lotados nos 3º e 7º Batalhões de Engenharia de Combate, sediados em Cachoeira do Sul – RS e Natal – RN, respectivamente, participaram da construção de duas pontes móveis em Pernambuco, estado solapado pelas intensas chuvas das últimas semanas.

 

Do Rio Grande do Sul partiu uma ponte Compact 200 com extensão de 60 metros e capacidade para 80 toneladas. O equipamento do Exército Brasileiro foi transportado num comboio de 12 viaturas e percorreu cerca de 4 mil quilômetros.

Nesta missão vinda do sul do país se encontra o sub-tenente caicoense José Carlos da Silva, que pode ser visto em primeiro plano e à direita da fotografia e que vem a ser o irmão mais velho deste escriba.

Alô, alô Iberê

 

Ontem (24), o governador Iberê Ferreira realizou visita surpresa ao Hospital de Assu. Não encontrou médico de plantão e afirmou que a situação era quase caótica para um município que possui quase 60 mil habitantes.

 

“Se entrasse alguém naquela hora com mal súbito, o que iríamos fazer”? Indagou Iberê em entrevista à imprensa.

Alguém avise ao governador que Caicó tem mais de 60 mil habitantes. E a exemplo de Assu, vez por outra não se encontra médico de plantão nos dois hospitais da cidade.

João Maia não corre os riscos de Iberê e Robinson

 

No ano de 2007, quando já se especulava que dentre os nomes de Iberê Ferreira (PSB), João Maia (PR) e Robinson Faria (PMN) sairia o candidato do sistema wilmista, analisei num texto as possibilidades e perspectivas de cada um na corrida sucessória.

 

Daquela análise de 2007 ressalto aqui a previsão que fiz naquela época. Escrevi que, apesar da óbvia inclinação da então governadora Wilma de Faria (PSB) por Iberê, ainda não existia certeza sobre o nome que seria ungido a candidato do sistema. Entretanto, se não havia convicção de um vencedor, sabia que dos três um não sairia perdendo na disputa: o deputado João Maia.

 

O parlamentar seridoense não foi o escolhido de Wilma para disputar o governo, mas em face de diversas circunstâncias, está municiado para sair vitorioso das urnas no próximo mês de outubro e, importante, extremamente fortalecido para os próximos pleitos.

 

Ao contrário de Iberê e Robinson, João Maia navegará tranqüilo nas eleições deste ano. Acredito que a deputada Fátima Bezerra (PT) seja a única com chances reais de tirar-lhe a primeira colocação de federal mais votado. Um bom desempenho continua lhe credenciando para vôos futuros.

 

Apesar do favoritismo da chapa encabeçada pela senadora Rosalba Ciarlini (DEM), há o risco de Robinson Faria naufragar no intento de se eleger vice-governador. E, se eleito for, o sonho de um dia ser governador se encontra em longínquos oito anos. A Rosa deve tentar a reeleição e, apesar da incrível mutação na política potiguar, ele provavelmente não encontrará meios e apoios para uma candidatura própria e robusta.

 

Já Iberê navega na difícil missão que ora assistimos. Antes de pensar em vencer Rosalba, precisa estar à frente de Carlos Eduardo (PDT) para ir ao segundo turno da eleição.

 

Nas últimas horas, a imprensa tem especulado sobre a possibilidade de João Maia ir às urnas como o vice de Iberê. Não acredito muito nessa hipótese, pois seria trocar o certo pelo duvidoso e é fortíssima a possibilidade de ele assumir o Ministério dos Transportes na hipótese de Dilma Rousseff (PT) se eleger presidente. Pra tanto, é quase que indispensável possuir mandato e continuar como um parlamentar influente no Congresso Nacional.

 

Todavia, o trunfo maior de João Maia para seu futuro político a médio e longo prazo se encontra no partido que preside: o PR. Desde que assumiu a presidência da legenda, tem realizado um demorado e eficiente trabalho de fortalecimento do partido.

 

De um partido quase nanico, no início desta década, o Partido da República deu um grande salto quantitativo nos últimos anos. Hoje, comanda dezenas de prefeituras Rio Grande do Norte afora e em cidades importantes como Caicó, Ceará-mirim e São Gonçalo do Amarante. E há boas perspectivas de aumentar os quadros do partido na Assembléia Legislativa.

 

Decerto que apoios políticos e partidos grandes não garantem vitórias nas urnas. A história recente da política potiguar nos ensina que quem decide mesmo é a vontade própria da população eleitora. Exemplo maior desta afirmativa foi a eleição de Wilma em 2002. Mas engajamento e organização partidária têm sido decisivas em eleições apertadas.

 

Por fim, de muito dependerá a própria atuação e desenvoltura do deputado daqui para frente. Manter o perfil de um político com pouca rejeição junto ao eleitorado é o começo. Conseguir transmitir à opinião pública sua crescente importância em Brasília e, essencial, mostrar seu decisivo envolvimento na recuperação da malha rodoviária federal no Estado, são fatores fundamentais para a consolidação de seu projeto político de um dia governar o Rio Grande do Norte.

Na iniciativa privada o empresário João Maia provou ser um vencedor. Na vida pública, até agora, o político João Maia tem mostrado que não veio para perder.

Nossa Sucupira

 

 

E a inauguração da reforma da praça José Augusto, em Caicó, foi adiada pela centésima vez. O imbróglio começa a sair do campo da vigarice política para entrar no anedotário local.

 

Toda inauguração que tenha o dedo do prefeito Bibi Costa é semelhante ao cemitério do célebre Odorico Paraguaçu, personagem de Dias Gomes do seriado “O Bem Amado”.

 

No folhetim televisivo, o prefeito de Sucupira não conseguia inaugurar um novo cemitério pela falta de defunto.

Em Caicó, o prefeito não consegue inaugurar suas obras pela incompetência e absoluta indiferença em relação ao que pensa a opinião pública.

 
 

COMENTÁRIO DO LEITOR

Amigo, apesar de ser do sistema, acho vergonhoso o que se estão fazendo os nossos vereadores com a política de Caicó. Nossa cidade não merece esse descaso por parte dos que dizem serem nossos legítimos representantes. Um abraço.


Magiwer 

Caicó – RN

 

Do blog: pois estou me convencendo que merece. Nós é que os colocamos lá. A cada dia penso que para Caicó vale aquela máxima: “Os políticos são reflexos da sociedade”.

 

A propósito, veja seu caso. Diz que pertence ao “sistema”. Suponho que deva ter algum benefício na Prefeitura de Caicó ou Câmara de Vereadores. E por isso condena a situação atual, mas ANONIMAMENTE.

 

Querendo ou não, a maioria da sociedade acaba mesmo sendo é conivente.  

 
 

COMENTÁRIO DO LEITOR

Certamente a Caixa Econômica não sabe que aquele prédio que fica em frente à Praça José Augusto é um colégio, pois se a Caixa tivesse tido conhecimento disso jamais aceitaria que fosse construída uma praça de alimentação em frente a um colégio. E o Ministério Público não está vendo essa irregularidade? E cadê a licitação dos quiosques?

Valmor

Caicó – RN

 

Do Blog: o Ministério Público de Caicó é caolho, se é que me entende.

 
 

COMENTÁRIO DO LEITOR

Você desrespeita muito os seus leitores. É impressionante uma coisa dessas...A desculpa é que não vive do blog. E Robson Pires também não, tem emprego em rádio ao vivo e tudo... ou seja, vai pro blog nas horas que não está ao vivo.


Anna

Caicó – RN

 

Do Blog: sem querer, você me defende muito bem. Justamente pelo fato de exercer a profissão e estar dentro de um meio de comunicação é que um colega como Robson Pires tem tempo e se dedica ao blog dele.

 

Veja, por exemplo, os blogs de caicoenses como Marcos Dantas, F. Gomes e Sidney Silva. Todos são radialistas. Gente que está envolvida diretamente com a notícia. Vivem e sobrevivem disso.

Forte abraço e obrigado pela leitura do Blog.

Sigam-me!

 

Um abraço especial a Daniel Bevenuto,  Eduardo Dantas, Suzana Britto, Manoel Marcone, Sérgio Paiva, Paulo Araújo, Assis Oliveira, Ubiratan Bezerra, Gilson Soppa, Saulo da Silva, Almir Filho, João Madson, Robson Pires, Rafaela Oliveira e Eugênio Bezerra.

 

São os novos seguidores do Blog no Twitter.

 

Forte abraço a todos!

Aos novos

 

Para os novos e amigos leitores que estão chegando agora ao Blog, esclareço o título de o “Primeiro Blog Político do RN”. Não se trata de o mais acessado ou o mais importante do Estado.

 

Este Blog foi o primeiro no gênero aqui no Rio Grande do Norte. Criado em 2004, foi o pioneiro. Apenas isso.

 

Apesar da formação em jornalismo, não ganho o pão com a profissão. Daí que, infelizmente, não posso priorizar o Blog em minha rotina de trabalho. A atualização não é diária.

 

Sobre isso, espero a compreensão de vocês quando estiver em falta.

Sejam bem-vindos.

Eles acertam as diferenças depois

 

 

Pela passagem dos 40 anos de vida pública do senador Garibaldi Filho (PMDB) e do deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB), ficou marcada a bonita festa de união dos primos, ainda que ambos estejam em palanques diferentes na eleição deste ano.

Os rumos diferentes na eleição deste ano é um pequeno detalhe. O que importa mesmo (aos dois) é que no próximo ano devem estar juntos em torno de um mesmo governo estadual. Seja Rosalba, Iberê ou Carlos Eduardo o próximo governador.

Boi na linha

 

Leio no blog do radialista F. Gomes lamúria do prefeito de Caicó, Bibi Costa (PR), sobre a falta de infraestrutura da Prefeitura para coletar o lixo produzido na cidade. Joga a culpa do problema nos vereadores, pois não teriam aprovado um empréstimo para compra de veículos e equipamentos.

 

Na época, até os edis aliados ao prefeito teriam votado contra o empréstimo.

 

O que será que aconteceu, hein? Porque alguns vereadores, tão servis a Bibi Costa, se negaram a aprovar o tal empréstimo? É um mistério.

 

Analisem comigo: se a maioria dos parlamentares já teve a “coragem” de aprovar aumento de alguns impostos municipais, a pedido do Executivo, porque se negaram em relação ao empréstimo?

É... Imagino o mesmo que vocês estão pensando agora.

A propósito...

A propósito dessa coleta do lixo de Caicó, questiono o seguinte: se a mão de obra está sendo entregue a uma firma terceirizada, por que o mesmo não pode ser feito em relação a veículos e equipamentos? Em outras cidades isso acontece.

Desmoralização

 

Quem acompanha este Blog lembra-se das críticas que fiz desde o primórdio da atual legislatura da Câmara Municipal de Caicó. Já no início do ano passado afirmei que se tratava de uma das piores – senão a pior – legislaturas da história do Legislativo caicoense.

 

Chamei de circo as tais sessões realizadas em praças públicas da cidade, em face das baixarias provocadas pelos próprios vereadores com participação ativa de parte da platéia.

 

Quem lia os blogs na época deve se lembrar das ameaças do presidente da casa, vereador José Maria Queiroz (PR), em processar alguns blogueiros que mostravam a ridicularia dos edis. Este aqui seria o primeiro da lista.

 

O tempo passou, nenhum processo aflorou. Mas o espetáculo continuou. Leio nos blogs de Caicó os escrachos da última sessão realizada num bairro da periferia.

 

A atual legislatura deve ser a pior de todos os tempos. E, também, a mais desmoralizada.

Pobre Caicó!

 
 

COMENTÁRIO DO LEITOR

Caro Josenildo, todos somos omissos e coniventes, quando não extravasamos nossas indignações, e nesses casos bota omissão nisso. P.S. - Já com relação ao seu Blog, eu sou persistente. Como diria Chico Buarque em uma versão plagiada. - Todo dia eu faço tudo sempre igual... acesso o Blog já pela manhã... E para minha decepção aqui e acolá é que aparece algo escrito. Definitivamente, promessas de ano novo, realmente, não são para serem cumpridas. O pior, é que se eu não fosse ansioso, era só acessar o Blog a cada 15 dias, mas não consigo. Um abraço e até sempre.


Max Azevedo

Caicó – RN 

O perigo nas avenidas de Natal madrugada adentro

 

A cada final de semana, em Natal, as cenas se repetem na madrugada. Carros capotados e outros colididos nas principais vias de tráfego da capital.

 

Na madrugada deste domingo (23), a caminho de casa, vi três carros acidentados. Um na BR-101 e outros dois na avenida Engenheiro Roberto Freire.

 

No sábado (22), havia diversão em todos os lugares e para todos os gostos. E festa é sinônimo de consumo de álcool.

 

O que me causa perplexidade é a falta de fiscalização por parte dos órgãos competentes. Até agora não tenho visto algum trabalho de repressão, como blitz realizando teste do bafômetro.

Enquanto isso, vidas vão sendo ceifadas ali e acolá. E vidas de inocentes, de gente que não participava da loucura dos bêbados ao volante.

Alguém sabe?

Alguém sabe informar quando serão inauguradas as reformas do Mercado Público e da Praça José Augusto, em Caicó? Vão aproveitar para tentar faturar à véspera desta eleição ou vão deixar para 2012, ano de sucessão municipal?

Eu posso!

 

Volto a lembrar àqueles que não conseguem conviver com a divergência de opiniões: escrevo o que quero, mas sempre de acordo com minhas crenças. Faço isso porque vivo num país de constituição democrática e que garante a liberdade de expressão.

 

Portanto, não aceito o patrulhamento de derrotados, puxa-sacos e muito menos de pessoas que sei serem bem conhecidas minhas, mas que se escondem covardemente no anonimato para comentar aqui no Blog.

 

Tenho moral e coragem para falar de política e dos políticos – ainda que trabalhe para eles através de minha empresa de pesquisa, porque sempre pautei minha profissão com a ética herdada dos meus pais, meus verdadeiros professores da “vida”.

 

Maior testemunho desta verdade pode ser dado, justamente, pelos próprios políticos. São eles os conhecedores do meu profissionalismo e da minha integridade. Desafio qualquer um deles vir a público dizer o contrário. Nenhum virá porque não haverá absolutamente nada que desabone minha conduta, seja como jornalista ou dono de empresa de pesquisa.

 

TENHO MORAL PARA FAZER ESTE DESAFIO!

 

As palavras escritas acima são uma resposta aos imbecis que se esgoelam com MINHA OPINIÃO sobre a análise TÉCNICA que fiz das candidaturas de Roberto Germano e Vivaldo Costa.

 

A propósito da análise, lembro que ela foi feita na hipótese da eleição acontecer HOJE. E baseada também do que sei da vontade do eleitorado, não dos apoios que os dois estão recebendo de lideranças. HOJE, essas supostas lideranças não se traduzem em VOTOS.

 

A ignorância dos aloprados de sempre não entende ou não aceita minha conduta: sei separar o jornalista e pesquisador do eleitor e amigo de alguns políticos.

 

Nas duas últimas eleições votei em Vivaldo Costa para deputado estadual e Roberto Germano para prefeito de Caicó. Neste ano deverei votar num deles ou em José Rangel ou Nelter Queiroz para deputado estadual.

 

Ainda que tenha o senso extremamente crítico que vocês conhecem, sou bairrista a amo minha terra, apesar de ter perdido muita esperança de vê-la no caminho certo do desenvolvimento geral. Assim sendo, votarei num candidato da terra e torcerei para que dela seja eleito o máximo de representantes possíveis.

Por fim, aos eternos dependentes dos políticos, vocês que nunca souberam o que é trabalhar na iniciativa privada e que vivem à custa de cargos públicos, se acostumem com esta realidade. Quando se ganha são quatro anos atolados no peito da viúva. Quando se perde, lá se vão quatro anos na dureza da oposição.

A esperança de Roberto Germano e Vivaldo Costa  

 

Se as eleições fossem hoje, e estou dizendo HOJE, Caicó correria sério risco de não eleger um representante legitimo da terra à Assembléia Legislativa.

 

O ex-prefeito Roberto Germano (PCdoB) e o suplente de deputado Vivaldo Costa (PR) são os candidatos de peso já definidos. O empresário José Rangel (PV) ainda não se decidiu sobre a candidatura.

 

HOJE, Germano seria o deputado estadual mais votado em Caicó. Contudo, lhe faltam redutos eleitorais em outras regiões para garantir a eleição. O ex-prefeito tem votos em algumas cidades próximas a Caicó, mas de pouca expressividade eleitoral.

 

Segundo análise corrente, a aposta de Germano se concentra na votação de sua coligação, que tem o ex-prefeito de Paranamirim, Agnelo Alves (PDT), como provável puxador de votos. É uma esperança. E como toda esperança, há o risco de nada acontecer.

 

Já Vivaldo Costa, que vem de uma derrota nas urnas na eleição de 2006, sofreu um baque avassalador justamente com a entrada de Germano na disputa para deputado estadual. HOJE, já não é mais o preferido do eleitor caicoense e não largaria de Caicó com uma votação tão expressiva como antes.

 

Entre tapas e beijos com o deputado federal João Maia (PR), vem perdendo apoios de algumas lideranças seridoenses ligadas ao presidente do partido. Assim como Germano, Vivaldo vive de esperança. A dele, de que os redutos eleitorais prometidos pelo deputado Robinson Faria (PMN) em outras regiões salvem o Papa-jerimum nas urnas.

 

Mas lembrem-se: esta análise é pra HOJE.

Daqui até outubro é outra história. Perde-se e se ganha eleição na calada de uma noite véspera do dia da votação, dirá faltando meses para o pleito.

A propósito...   

A propósito do texto acima, quando falo em candidato legitimo de Caicó, me refiro ao fato de os dois terem carreira política iniciada e baseada em Caicó. O deputado Nelter Queiroz (PMDB), apesar de não ter começado na política na cidade, também pode ser considerado um parlamentar que defende os interesses caicoenses.

 
 

COMENTÁRIO DO LEITOR

Cadê que você escreve nesse seu quase extinto blogzinho que Bibi Costa está hoje (19/04) em Sampa recebendo o Certificado IBVG de gestão pública qualificada, prêmio para os melhores prefeitos brasileiros, mas se fosse para criticar né, ah era um prato cheio.

José Dias
Caicó - RN

Do Blog: cobre isso de quem recebe da Prefeitura de Caicó. Escrevo o que QUERO. Ademais, você era pra estar feliz com minha ausência aqui no Blog, né não? Afinal, sou um dos poucos que incomoda muito a administração de Bibi Costa e seus puxa-sacos.

Depressão

 

A Câmara Municipal de Caicó aprovou nota de repúdio contra reportagem da revista Veja, que critica o uso do chá do Santo Daime. A Redação da maior revista brasileira deve ter entrado em depressão.

 
 

COMENTÁRIO DO LEITOR

Eu não entendo como é que se diz que o Seridó vai continuar bem representado na assembléia, se esse pessoal que está aí, desde a década de 80 que faz política, e a situação da região do Seridó continua lastimável. No setor de segurança nem adianta comentar, porque todo mundo já sabe como se encontra. No setor da educação, é só ir passar um pedaço dentro das classes do Senador Guerra, para você ver o perigo de vida que você corre. Domingo fui fazer o concurso da prefeitura lá em uma das classes do grupo, e quando eu olhava para cima o medo de morrer aumentava, por que a gente ver que o forro está todo rachado e na iminência de cair. E na saúde, essa é uma tristeza, principalmente, o uso politiqueiro do sagrado direito à saúde.


Afonso

Caicó – RN

 
 

ACHADOS DA NET

Sua frase na sacola

 

Se você é daqueles que gostam de usar frases de efeito no Orkut e no MSN – de autoria própria ou alheia, deve olhar a promoção lançada pela rede de supermercados Carrefour. Afora a possibilidade de ser contemplado com uma viagem custeada pela empresa, terá sua frase estampada naquelas sacolas reutilizáveis do supermercado.

 

As informações do concurso você encontra AQUI.

Se fosse nos EUA...

 

 

Num país de cultura de primeiro mundo, o cidadão da foto acima teria todo o apoio da opinião pública para ingressar na carreira política.

 

Marcelo Alecrim, que dispensa apresentações, é sinônimo de vitória na iniciativa privada. Ganhou mais um prêmio nacional como empreendedor.

 

Como estamos no país em que ser pobre é uma virtude e a riqueza é demonizada (apesar de todos nós a desejarmos), poderemos ter, no máximo, um suplente de senador.

Faca de dois gumes

 

E o papel do prefeito Bibi Costa (PR) na campanha? Com uma avaliação administrativa descendo a ladeira, quem diabos terá a coragem de subir num palanque de mãos dadas com ele?

 

O irmão e candidato a deputado estadual, Vivaldo Costa (PR), tem dito a interlocutores que deseja uma distância segura dele. Avalia que Bibi só transfere votos dos cargos comissionados da Prefeitura de Caicó.

Cada um olhando pro seu umbigo

 

Outro dia, quando viajava pelo Seridó, escutava na Rádio Rural entrevista do deputado Vivaldo Costa (PR). No dia anterior, li declarações do ex-prefeito Roberto Germano (PCdoB).

 

Ambos chamaram um ao outro de oportunista, haja vista que os dois mudaram de candidato a governador.

 

Concordo com os dois.

 

Vivaldo passou pro lado de Rosalba Ciarlini (DEM) em busca da sobrevivência num pós eleição. A senadora é a favorita e, numa eventual vitória, o Papa-jerimum reivindicará o controle da máquina do governo no Seridó.

 

Já Germano, não largou Rosalba por achar Carlos Eduardo Alves (PDT) a “melhor opção”. Apoiará o pedetista em acordo com o deputado Álvaro Dias (PDT), que lhe cedeu a oportunidade de disputar uma vaga na Assembléia Legislativa.

 

Portanto, cada um defendendo interesse próprio.

Dois pesos, duas medidas

 

Para Lula e o PT, a culpa pelas enchentes em São Paulo é dos governantes. Governos tucanos, que fique claro. Enchente no Rio, onde os governos estadual e municipal são aliados, é desmantelo da natureza.

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


Visitante número: